Boa tarde, Quinta-Feira, 19 de Outubro de 2017
R$ 46 MILHÕES
Estado avalia se usa avião e fazendas de Silval ou vende em leilão
Silval conseguiu converter sua prisão preventiva em domiciliar em junho, após confessar sua participação em esquemas de desvio de milhões de reais dos cofres públicos.
14/07/2017 - 15h35 - Fonte: Karine Miranda, repórter do GD

 

Entre os bens que Silval entregou está uma aeronave

A juíza Selma Rosane Santos Arruda, da 7ª Vara Criminal de Cuiabá, colocou à disposição do governo do Estado a decisão sobre a forma com que deseja reaver os R$ 46 milhões que o ex-governador Silval Barbosa (PMDB) se comprometeu a devolver a título de ressarcimento aos cofres públicos pelos prejuízos causados em esquemas de corrupção investigados na Operação Sodoma.

Silval conseguiu converter sua prisão preventiva em domiciliar em junho, após confessar sua participação em esquemas de desvio de milhões de reais dos cofres públicos. O peemedebista estava preso desde setembro de 2015 e ofereceu uma aeronave, duas fazendas e dois terrenos, sendo que um deles está em Cuiabá e outro em Sorriso (420 Km ao norte da Capital), como ressarcimento do dinheiro roubado do contribuinte mato-grossense.


 

De acordo com a juíza Selma Arruda, a medida busca evitar o leilão dos bens, que é um processo mais demorado. Segundo a magistrada, os bens podem servir para que o Estado promova a regularização fundiária, por exemplo, enquanto a aeronave pode ser usada no combate ao crime.

A Fazenda Serra Dourada 2 tem 4,1 mil hectares, a Fazenda Lagoa Dourada 1 possui 1,2 mil hectares. Já o imóvel em Cuiabá possui 2 lotes, enquanto a área urbana localizada em Sinop possui 2,5 mil metros quadrados.

“O que nós fizemos foi colocar à disposição do Estado para vermos esses bens, da forma com que estão, servem para o Estado. Se o Estado se interessar, não há a necessidade de levar a fazenda a leilão e depois devolver em dinheiro”, disse a magistrada nesta sexta-feira (14) em entrevista à Radio Capital.

Os secretários de Gestão, Julio Modesto, e de Segurança Pública, Rogers Jarbas, além do Instituto de Terras do Estado de Mato Grosso (Intermat), já foram procurados para avaliar os bens. Porém, ainda não se posicionaram.

“No caso do avião, por exemplo, já consultei o secretário de Segurança para ver se ele tem interesse em utilizar para combater a criminalidade. Ainda estou aguardando a resposta da secretaria. Consultei também o Julio Modesto, para saber se outros bens interessam ao Estado. Também já acionei o Intermat pra ver se efetivamente vale a pena ao Estado”, afirmou.

Enquanto não houver uma definição sobre a situação dos bens, Silval continua responsável pela manutenção dos bens, assim como pelos “pagamentos de IPTU e demais tributos ou taxas incidentes”, conforme decisão de Selma Arruda.

Acusações -  Ex-governador Silval foi alvo das 5 fases da Operação Sodoma e nas 2 fases da Operação Seven, deflagradas pela Delegacia Especializada contra Crimes Fazendários (Defaz) e Grupo de Atuação Especial contra o Crime Organizado (Gaeco).

Ele é acusado de chefiar uma quadrilha que operou vários esquemas  de corrupção envolvendo compra de imóveis em valores superfaturados, cobrança de propina de empresários para manter contratos com o Estado e também para se beneficiar de incentivos fiscais por meio do Programa de Desenvolvimento Industrial e Comercial de Mato Grosso (Prodeic).

Comente através do facebook:
ENQUETE »
Você é favorável a pena de morte?

FOTO NOTÍCIA
:: MT24Horas - Todos os direitos Reservados - Copyright 2017 ::